A Terra é redonda. Este é um inegável fato de conhecimento público há séculos. Porém, de uns tempos pra cá, um movimento que prega que o nosso planeta é plano vem ganhando força num âmbito mundial.

Um recente estudo, por exemplo, apontou que 2% da população dos Estados Unidos acredita que a Terra é, na verdade, uma base achatada. Você até vai argumentar que isso não representa muita gente. Mas equivale a mais de seis milhões de pessoas.

Isso mesmo, meia duzia de milhões de indivíduos que batem de frente nas mais fortes evidências científicas. Que abrem mão de qualquer lógica, mesmo sendo apresentadas com fotos, vídeos, depoimentos e milhares de provas que vivemos em uma incrível e majestosa esfera num canto perdido do universo.

Estes seres se utilizam das mais variadas técnicas que beiram o absurdo para negar o incontestável.

Mas Carlos não era um desses cidadãos. Ele sabia que a Terra era rechonchuda. Disso ele tinha certeza. Porém, quando se tratava de sua mulher, não parecia assim tão confiante.

— Acho que a Clarice está me traindo. — disse a um amigo.

— Como assim Carlos? De onde tirou essa ideia? — questionou o camarada.

— Faz tempo que estava desconfiado dela. Então fingi que fui ao trabalho e fiquei escondido no quarto, dentro do armário.

— E aí? — indagou o agora curioso amigo.

— Aí o meu vizinho apareceu lá em casa. Ela levou ele pro quarto e eles começaram a tirar a roupa. — descreveu um incrivelmente calmo narrador.

— Meus Deus! Carlos! E aí? O que aconteceu?

— Não sei! Meu vizinho pendurou a cueca no puxador do armário e tampou o buraco da fechadura. Não consegui ver mais nada. Sabe, o que me mata é essa incerteza. — finalizou, olhando perdidamente para o céu.

Naquele momento o amigo não falou nada. Apenas recriou a situação na sua cabeça e se questionou como o Carlos podia negar o explícito caso de sua mulher. E só chegou a uma conclusão. Que certas pessoas sentem um estranho prazer em negar o óbvio. Só pode ser isso.

 5.0/5.0 (1)
Andam falando deste texto... Comente também, avalie, curta! O autor agradece.
mostrar comentários Hide comments
Comentários para: Até que se prove o contrário
  • 19/12/2020

    Simples, direta, gostosa de ler. A analogia, mesmo óbvia e com desfecho previsível, não prejudicou em nada o resultado. Como leitora, ainda que eu já imaginasse o que seria dito ao final, gostei muito.

     5.0/5.0
     5.0/5.0
     5.0/5.0
     5.0/5.0
    Responder

Envie um comentário/avaliação

O seu endereço de e-mail não será publicado.

https://twitter.com/dan_dreyer

Receber aviso quando este autor publicar um texto?

me avise por email
X

me avise por email

E-mail :*

Tendência

inscreva-se e receba novos textos a cada semana na sua caixa de mensagens